Nome que ajudou a escrever a história dos quadrinhos no Brasil, Angeli está guardando o lápis na gaveta e encerrando uma carreira que revolucionou a arte que se podia fazer em jornais.

O cartunista de 65 anos recebeu um diagnóstico de afasia, condição neurodegenerativa que prejudica a comunicação e, conforme evolui, incapacita o paciente de se expressar de forma verbal ou escrita.

angeli em meio a seus desenhos
O cartunista Angeli, que anuncia despedida das charges e quadrinhos após mais de 50 anos – Eduardo Knapp/Folhapress

A condição médica ganhou holofotes no mês passado, quando o ator americano Bruce Willis —dois anos mais velho que Angeli e com uma equiparável fama de durão— anunciou sua aposentadoria do cinema pelas mesmas razões.

Não é exagero dizer que o anúncio fecha uma era dos quadrinhos, já que o traço inconfundível de Angeli, sua estética punk e comportamento transgressor, marcaram a identidade de uma geração.

“O Angeli tem o peso de um Pasquim inteiro em matéria de influência e significado de uma época”, afirma Laerte, cartunista histórica deste jornal, assim como o amigo. “Ele foi vital para a existência do que entendemos como humor em São Paulo.”

Se a notícia tem um inevitável gosto amargo, ela vem acompanhada de uma homenagem inédita: em celebração aos seus 50 anos de carreira, pela primeira vez uma seleção ampla do trabalho de Angeli está sendo preparada em grande estilo pela Companhia das Letras.

O audacioso projeto, organizado por André Conti e Carolina Guaycuru, mulher de Angeli, pinça trabalhos de todo tipo ao longo das últimas cinco décadas, passando por tiras de jornais e revistas, charges, ilustrações e desenhos variados. O plano é publicar dois volumes, reunindo cerca de mil trabalhos, ainda este ano.

“A ideia era um projeto que desse a noção completa do quanto ele fez”, afirma Conti. “Tínhamos mais de 50 mil desenhos, do papelão que ele rabiscava enquanto falava ao telefone até processos mais elaborados de capas.”1 9

Bob Cuspe em ilustração que integra o livro 'Todo Bob Cuspe', de Angeli

A dupla de personagens Skrotinhos, de Angeli, em trecho do livro 'Skrotinhos - A Fome e a Vontade de Comer', do cartunista Angeli

O personagens Wood & Stock, de Angeli, em cena do filme 'Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'roll', com direção de Otto Guerra

O personagem Bibelô, de Angeli, na capa da revista 'Chiclete com Banana'

A personagem Mara Tara em ilustração do cartunista Angeli

Capa do livro 'Luke e Tantra - Hormônios em Fúria', com tirinhas protagonizadas pelas personagens de Angeli

Os personagens Meiaoito e Nanico, do cartunista Angeli

O personagem Rhalah Rikota, de Angeli, em cena da animação 'Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'roll', com direção de Otto Guerra

Fonte: Folha de S. Paulo