O presidente também disse, sobre o 7 de Setembro, que “não deseja e nem provoca a ruptura, mas tudo tem limite nesta vida”.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partida), afirmou neste sábado (28/8) que há apenas três alternativas para o futuro dele. “Estar preso, ser morto ou a vitória”, listou. Logo em seguida, o mandatário disse que “não existe” a chance de ser preso. “Nenhum homem aqui na terra vai me amedrontar”, acrescentou.

Bolsonaro participou, nesta manhã, do 1° Encontro Fraternal de Líderes Evangélicos, realizado em Goiânia (GO). Além da previsão sobre o futuro político, ele fez alusão aos movimentos previstos para o feriado de 7 de Setembro. “Temos presidente que não deseja nem provoca ruptura, mas tudo tem limite nesta vida. Não podemos continuar convivendo com isso”, assinalou.

Bolsonaro informou que, no Dia da Independência, estará pela manhã na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e à tarde, na Avenida Paulista. “Tem algo muito mais importante que a nossa vida, é a nossa liberdade”, prosseguiu.

“Tratamento precoce”

O presidente também aproveitou o evento para voltar a defender o uso de remédios comprovadamente ineficazes no combate à Covid-19. “Eu tomei hidroxicloroquina, no dia seguinte estava bom. Não foi da minha cabeça, foi ouvindo pessoas”, pontuou. O mandatário zombou inclusive da possibilidade de a CPI da Covid responsabilizá-lo por isso. “A última da CPI, nas palavras de alguns poucos, eu vou ser enquadrado em charlatanismo e curandeirismo“, disse.

Ataques ao TSE

Outro ataque de Bolsonaro foi à decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de desmonetizar canais no YouTube que o apoiam por divulgação de notícias falas contra o sistema eleitoral brasileiro. Isso, de acordo com o chefe do Executivo, abre o precedente para que tribunais regionais façam o mesmo, o que seria antidemocrático, segundo ele. “A liberdade de expressão tem de valer para todos”, pediu.

Para o público de evangélicos, Bolsonaro avaliou que o objetivo de tirá-lo da Presidência não é para a volta da normalidade e da democracia. “Digo uma coisa a eles. Deus me colocou aqui e somente Deus me tira daqui”, vaticinou.

O titular do Planalto concluiu a fala retomando a previsão sobre o seu futuro: “Terminando preso, jamais. Vivo, dependo de Deus. Com a vitória, ao lado de vocês”.