Hipopótamos de Pablo Escobar são legalmente reconhecidos como gente; entenda
Hipopótamos de Pablo Escobar são legalmente reconhecidos como gente; entenda (Foto: Dušan Veverkolog/Unsplash)

Pela primeira vez nos Estados Unidos, a justiça reconheceu os “hipopótamos da cocaína” de Pablo Escobar como animais legais. A decisão histórica do Tribunal Distrital dos EUA em 15 de outubro reconheceu os hipopótamos como as primeiras criaturas não humanas a serem legalmente consideradas pessoas nos EUA.

Os hipopótamos foram contrabandeados pelo chefão das drogas Pablo Escobar para seu rancho particular na Colômbia na década de 1980. Depois que ele foi morto pela polícia em 1993, a maioria dos animais foi enviada para zoológicos, exceto os hipopótamos que se mostraram tão difíceis de capturar que a polícia os deixou no local pensando que eles provavelmente morreriam. Em vez disso, eles começaram a procriar.

Trinta anos depois, a população de 120 habitantes vagueia pela Colômbia e é considerada uma das principais espécies invasoras do mundo. O governo e os cientistas vêm considerando seu destino há anos. Os conservacionistas estão preocupados com os danos ecológicos que estão causando à bacia do rio Magdalena, na Colômbia, enquanto outros os usam para defender a causa de espécies invasoras.

As autoridades colombianas decidiram em 2009 matá-los, gerando protestos, e o plano nunca saiu do papel, embora esteja ganhando velocidade. Em julho passado, o advogado colombiano Luis Domingo Gómez Maldonado abriu uma ação em nome dos hipopótamos para salvá-los da eutanásia, sugerindo a castração.

As autoridades colombianas concordaram, e o plano de usar anticoncepcionais químicos para esterilizar uma parte da população principal começou a ser executado na semana passada. A agência ambiental da região local esterilizou 24 hipopótamos usando dardos na última sexta-feira.

Mas onde os EUA entram nisso? O processo para salvar os hipopótamos defende o uso de outra droga anticoncepcional e que o negócio ainda pode permitir uma brecha para que alguns dos hipopótamos sejam mortos. Então, o Fundo de Defesa Legal de Animais dos EUA (ALDF) interveio, entrando com um pedido legal para depor dois especialistas em esterilização não cirúrgica em vida selvagem de Ohio para testemunhar em nome dos demandantes.

A lei colombiana permite que animais não humanos abram processos judiciais que protejam seus interesses, mas não pode obrigar os cidadãos norte-americanos a apresentar documentação ou testemunho para apoiar seu caso. No entanto, uma lei dos Estados Unidos permite que os cidadãos, ou “pessoas interessadas”, da Colômbia recorram a um tribunal federal dos Estados Unidos para buscar documentos e testemunhos.

Ao conceder o pedido ao ALDF, o Tribunal Distrital dos Estados Unidos reconheceu os demandantes (os hipopótamos), como pessoas jurídicas pela primeira vez.

“A ordem do tribunal que autoriza os hipopótamos a exercer seu direito legal de obter informações nos Estados Unidos é um marco crítico na luta mais ampla pelo status dos animais para reconhecer que os animais têm direitos executáveis”, disse o diretor executivo da ALDF, Stephen Wells, em um comunicado.

Fonte: Revista Planeta