O presidente Jair Bolsonaro (PL) declarou neste domingo (19.dez.2021) que a liberação da Anvisa para a vacinação de crianças de 5 a 11 anos foi uma decisão “inacreditável”. Disse que os possíveis efeitos adversos dos imunizantes não são conhecidos.

Estamos trabalhando. Se depender de nós, nem a tua é obrigatória, é liberdade. Criança é coisa muito séria. Não se sabe os possíveis efeitos adversos futuros. É inacreditável, desculpa aqui, o que a Anvisa fez. Inacreditável”, disse para um apoiador em Praia Grande (SP).

Neste domingo, Bolsonaro declarou que a vacina contra a covid-19 para crianças só será aplicada com autorização dos pais. Afirmou ter dado uma “diretriz” para a equipe da Saúde. O chefe do Executivo disse ainda que o Ministério da Saúde irá cobrar da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) um protocolo para efeitos colaterais do imunizante em crianças.

Vem da Saúde isso aí. Vacina para criança: 1º, só autorizado pelo pai. Se algum prefeito, governador, ditador aí quiserem impor é outra história. Mas por parte do governo federal tem que ter a autorização dos pais. Tem que ter uma receita médica”, disse em entrevista para a emissora VTV, afiliada do SBT.

Segundo o presidente, as orientações do Ministério serão anunciadas “nos próximos dias”. O presidente afirmou ter ligado na madrugada de sábado (18.dez) para o ministro Marcelo Queiroga (Saúde) para tratar do assunto.

Queiroga afirmou a jornalistas na 5ª feira (16.dez) que não há tempo suficiente para começar a vacinar crianças em 2021. Em 5 de janeiro o governo deve anunciar em 5 de janeiro de 2022 se crianças serão incluídas no PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Bolsonaro afirmou na 5ª feira (16.dez) ter pedido “extraoficialmente” o nome de técnicos da Anvisa que aprovaram a vacinação de crianças a partir de 5 anos. Em nota, a agência disse que “seu ambiente de trabalho é isento de pressões internas e avesso a pressões externas”.