Sustentabilidade está mais em alta do que nunca, e a tendência é que essa onda continue crescendo e se popularizando pelo mundo. Além das ações individuais, pessoas interessadas em manter um estilo de vida sustentável vêm percebendo que o seu dinheiro é uma das maneiras mais impactantes de se garantir um futuro saudável para o ecossistema da Terra. E por levantarem essa bandeira, os investimentos sustentáveis estão ganhando mais visibilidade.

O que são os investimentos sustentáveis?

Quando você escolhe comprar uma escova de dentes com um cabo de bambu em vez de plástico, absorventes menstruais reutilizáveis ou produtos em embalagens biodegradáveis, por exemplo, você está fazendo duas coisas: diminuindo o seu lixo individual e apoiando uma empresa que reflete a sua visão de mundo.

Assim como no consumo, podemos apoiar empresas sustentáveis através do investimento financeiro, seja na compra de suas ações ou outros tipos de instrumento financeiro, como o forex, já que investir em forex é seguroquando feito em corretoras confiáveis. Se não quiser investir diretamente em ações, também é possível fazer aplicações em fundos focados em sustentabilidade, chamados de ESG.

Fundos ESG

Os fundos de investimento, no geral, são grupos de investidores que se juntam para fazer uma aplicação financeira. Podem haver fundos que focam em diferentes tipos de investimento, como uma carteira de renda fixa, ações, derivativos e commodities, por exemplo. Já recentemente, o segmento dos fundos focados em investir em projetos de sustentabilidade vem demonstrando ascensão.

Os chamados fundos ESG (ambiental, social e governança, em inglês) buscam aplicar capital e comprar ações de empresas que se destacam nos 3 pilares: meio-ambiente, sociedade, governança. Segundo dados da empresa Morningstar, os investimentos em fundos ESG disparou no primeiro trimestre de 2020, crescendo em 72%.

Quando uma empresa se destaca no pilar meio-ambiente, é porque ela se comporta de maneira sustentável em relação a questões como o uso de recursos naturais na fabricação, armazenamento e distribuição de seus produtos e serviços, além de se responsabilizar quanto à poluição e resíduos de produção e consumo. Empresas que recebem investimentos de um fundo ESG também precisam ser ativas para neutralizar ou negativar a sua emissão de carbono, lutando contra mudanças climáticas.

Já o pilar da sociedade se refere ao tratamento que a empresa oferece às pessoas e à sociedade. Por exemplo, ela deve dar atenção às questões que impactam os direitos humanos, diversidade e inclusão. Além disso, empresas sustentáveis garantem a saúde e a segurança dos seus funcionários durante o trabalho, dos clientes que usam o seu produto ou serviço, e da sua comunidade local e aquelas afetadas pela sua cadeia de produção.

Por fim, o pilar da governança foca em questões de como a empresa é dirigida e governada. Para entrar em um fundo ESG, é importante que ela demonstre transparência e publique relatórios; tenha ética e respeito contratual; garanta o direito dos acionistas e combata a corrupção.

ESG no Brasil

De acordo com a CEO do Principles for Responsible Investment, Fiona Reynolds, “o Brasil ainda está num estágio incipiente das práticas de incorporação de ESG, mas está claro que há um apetite por isso e as coisas vão continuar acontecendo e crescendo no país”. Aqui há alguns fundos disponíveis para os investidores, que podem ser encontrados nas diversas corretoras de valores existentes no mercado. Para investir em um fundo ESG na sua instituição financeira, busque pelo termo “ESG” e verifique se há alguma opção.

Na mesma fala, que ocorreu durante um evento promovido pela XP, Fiona Reynolds disse: “Cada vez mais o investimento responsável não tem a ver com sacrificar seu desempenho de investimento: é um fato que vem se tornando cada vez mais reconhecido e aceito no meio financeiro. Então para mim o investimento responsável não é mais uma coisa que é legal ter, mas se tornou algo que é necessário”

Por isso, a esperança do mercado é que, no futuro, essa sigla não seja tão importante, e que as empresas incorporem naturalmente os três pilares da sustentabilidade que atualmente são critérios para os fundos ESG. Eventualmente, a sustentabilidade se tornará norma, e não destaque, e todos os fundos de investimento verão essa característica como uma de suas estratégias de investimento.

Fonte: Envolverde