Autarquias federais e estaduais têm 30 dias para atuar de forma integrada para a retirada dos garimpeiros do local.

Foto aérea de movimentação de dragas para mineração no rio Madeira – Bruno Kelly/Reuters

O Ministério Público Federal recomendou na quarta-feira 24 uma intervenção emergencial para repressão e desarticulação ao garimpo ilegal de ouro no Rio Madeira, em Autazes, no Amazonas. De acordo com o órgão, autarquias federais e estaduais têm 30 dias para atuar de forma integrada para a retirada dos garimpeiros do local.

Um boato sobre a presença de ouro na região levou centenas de balsas de dragagem ao local no começo de novembro. Até o momento, nenhuma medida para a retirada das embarcações foi determinada. 

“Pelo porte da ‘invasão garimpeira’, a repressão eficiente da atividade exige, necessariamente, esforços coordenados de agências governamentais diversas, cada qual dentro de suas atribuições, com papel destacado para a atividade repressora e de policiamento ambiental dos órgãos integrantes do Sisnama (Sistema Nacional do Meio Ambiente), o Ibama, em nível federal, e o Ipaam, em nível estadual”, afirma o documento.

Na recomendação, o MPF requer que os órgãos identifiquem e autuem os garimpeiros e que adotem medidas para interromper a atividade, inclusive destruindo os “instrumentos do crime”, se necessário. 

As balsas de dragagem estão amarradas em fila, atravessando quase toda a largura do Rio Madeira. Em áudios que circulam em grupos de Whatsapp, garimpeiros falam em criar “grandes paredões” para dificultar ações de fiscalização.

A invasão dos garimpeiros à região foi confirmada pelo Greenpeace Brasil, que sobrevoou o Rio Madeira, na terça-feira 23. 

“O que vimos no sobrevoo é o desenrolar de um crime ocorrendo à luz do dia, sem o menor constrangimento. Isso tudo, óbvio, é referendado pelo presidente Bolsonaro, que dá licença política e moral para que os garimpeiros ajam dessa maneira”, disse Danicley de Aguiar, porta-voz da Campanha Amazônia do Greenpeace Brasil, em publicação no portal da organização. 

Segundo a ONG, “os garimpeiros operam no leito do rio Madeira, sem qualquer tipo de incômodo ou discrição, explorando ouro de maneira ilegal sem que as autoridades tomem providências”. 

Licenças ilegais

Receba as notícias de CartaCapital todos os dias no seu e-mail

Em agosto, a Justiça Federal condenou o Ipaam a anular diversas licenças de mineração expedidas de maneira irregular para extração de ouro no Rio Madeira.

Segundo a decisão, não foram realizados estudos de impacto ambiental nas regiões antes da concessão das autorizações. 

A extração do metal libera resíduos de mercúrio na água, comprometendo o leito fluvial na região e nos afluentes, apresentando problemas para as comunidades ribeirinhas. 

Além do mercúrio, outras substâncias oleosas e ausência de destinação adequada de resíduos também são encontradas em áreas de garimpo ilegal. 

Atividade em expansão

Um estudo publicado pelo MapBiomas, em agosto, aponta que a área minerada no Brasil aumentou pelo menos seis vezes entre 1985 e 2020. O que antes representava 31 mil hectares, atualmente atinge cerca de 206 mil hectares. 

Mais de 93,7% dos garimpos do País estão na região Amazônica, sendo a maior parte em territórios indígenas e unidades de conservação. 

Ainda conforme o levantamento, entre 2010 a 2020, a área ocupada pelo garimpo em terras indígenas cresceu 495%, já em  unidades de conservação, o crescimento foi de 301%. 

Em 2020, metade da área nacional do garimpo estava em unidades de conservação (40,7%) ou terras indígenas (9,3%).

Fonte: Carta Capital