Documento relata mortes, exterminação, transferência forçada de população, escravidão e perseguição contra os indígenas da Amazônia.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O chefe indígena caiapó Raoni denunciou o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional (TPI) por crimes contra a humanidade, na sexta-feira. A acusação deverá atrair ainda mais atenção internacional sobre políticas do atual governo em relação às nações indígenas e Amazônia.

Uma foto colorida de Raoni aparece neste sábado na primeira página do jornal Le Monde, de Paris, informando sobre a denúncia redigida pelo advogado francês William Bourdon em nome do líder caiapó e de Almir Surui, chefe dos Paiter-Surui. 

O documento acusa Bolsonaro e vários de seus ministros de crimes contra a humanidade por mortes, exterminação, transferência forçada de população, escravidão e perseguição contra os indígenas da Amazônia. 

Segundo o Le Monde, o documento de 65 páginas foi transmitido ao escritório da procuradora Fatou Bensouda, do TPI, com pedido de abertura de um caso contra Bolsonaro. 

Raoni denuncia a política de Bolsonaro desde sua chegada ao poder e que visaria ‘’saquear as riquezas da Amazônia’’, impondo ‘’condições de vida insuportáveis aos indígenas de certas regiões’’. 

Raoni é famoso na Europa, sobretudo na França, onde já foi recebido por importantes líderes políticos. 

Várias outras denúncias já foram apresentadas no Tribunal Penal Internacional contra o presidente Bolsonaro.

Fonte: Valor Econômico