A programação lunar hoje está agitada: primeiro teve o fenômeno conhecido como “superlua” e depois o bônus da “Lua de Sangue”, um eclipse que deixa o satélite com a cor avermelhada.

A “superlua” foi observada na manhã desta quarta-feira (26). O espetáculo segue à noite. É a primeira vez em seis anos que ambos os fenômenos ocorrem simultaneamente.

Esse fenômeno acontece quando a lua chega no ponto mais próximo da Terra no curso de sua órbita elíptica, chamado de perigeu. Quando isso ocorre na fase cheia da Lua, o satélite aparenta estar cerca de 15% maior do que o normal e, quando visível, com quase 30% mais luminosidade.

A “superlua” não é um evento com datas regulares. Em 2019, ela ocorreu em 21 de janeiro, 19 de fevereiro e 20 de março, ou seja, com cerca de um mês de intervalo. No entanto, pode-se levar muito mais tempo, passando mais de seis meses sem uma ocorrência. Isso acontece porque nem sempre as fases da lua estão alinhadas com o tempo necessário para que ela atinja o perigeu. Continua após a publicidade

A próxima vez que uma superlua irá coincidir com a fase da lua cheia está prevista apenas para novembro de 2034.

Superlua atrás da Pedra da Gávea, no Rio — Foto: Marcello Cavalcanti/Arquivo pessoal
Superlua atrás da Pedra da Gávea, no Rio — Foto: Marcello Cavalcanti/Arquivo pessoal 

O fenômeno conhecido como superlua foi observado ao redor do mundo na noite da terça-feira (25). No Rio de Janeiro, com o céu claro, o fenômeno ficou visível até a manhã desta quarta (26), quando o satélite se pôs. 

A ‘superlua’ ocorre quando a Lua está próxima de seu perigeu, ponto de sua órbita mais perto da Terra

Superlua no Rio de Janeiro — Foto: Marcello Cavalcanti/Arquivo pessoal
Superlua no Rio de Janeiro — Foto: Marcello Cavalcanti/Arquivo pessoal 
Superlua atrás da Pedra da Gávea, no Rio — Foto: José Raphael Berrêdo/G1
Superlua atrás da Pedra da Gávea, no Rio — Foto: José Raphael Berrêdo/G1 
Superlua no Rio — Foto: Marcello Cavalcanti/Arquivo pessoal
Superlua no Rio — Foto: Marcello Cavalcanti/Arquivo pessoal 

Superlua no Rio de Janeiro — Foto: José Raphael Berrêdo
Superlua no Rio de Janeiro — Foto: José Raphael Berrêdo